segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Nicolas Faria, 16, in REVISTA CULT

“Dorian Grey já dizia que não existe nada mais real que a palavra. Não falemos do escrito, da palavra vista, mas de todas as formas com que a junção de consoantes e vogais possam tomar algum sentido. [...]
Com as palavras formamos pensamento, a ponte entre a saudade e o desejo, distância e sonho.
Com as palavras, formamos conceitos, uma forma elegante e politicamente correta de chamar a opinião de cada indivíuo.
Formamos também a materialização abstrata de tudo o que nos consome e perturba internamente ( alguns preferem chamar de ‘textos” também).
Com as palavras, percebemos a gravidade e a realidade dos nossos sentimentos, ou talvéz temos apenas uma ilusão de tal ato.
[...] Conseguimos por meio das palavras tantas coisas boas ou ruins, que nem mesmo as próprias palavras dariam donta de explicar.”